Barcelona de janeiro a janeiro - planos pra se sentir local o ano inteiro

18 de setembro de 2017 - Por On.TheList

Existem várias maneiras - e diferentes pontos de vista - de se conhecer bem uma cidade. Nossa visão da capital catalã abrange quatro estações e mais alguns meses, o que tem sido bastante pra perceber que ela vai além do modernismo de Gaudí, das lojas do Passeig de Gracia e da praia de Barceloneta. 

A chegada do outono nos inspirou a fazer esse post com dicas do que fazer de melhor pela região em cada época do ano; sempre de modo a se sentir um pouco mais local e menos turista nesse pedaço de terra tão visitado pelo mundo todo (80 milhões é o número de visitantes que se calcula que a cidade terá recebido até o fim de 2017!!!). 

 

Manual de sobrevivência:

 
- Pra começar, se você quer mostrar que é mesmo íntimo de Barcelona não fale que está em "Barça": Barça é o time; o apelido da cidade é BarNa!
 
- Mais um sinal de intimidade: comece o dia desejando "bon día" e se depeça dizendo "adeu". Não se esqueça que aqui se fala catalão e, acredite, desde o chino até o paqui de cada quadra, todos se "saludam" assim.
 
- Falando em "paqui", esta é a maneira carinhosa como os locais chamam os paquistaneses. Eles têm um mercadinho a cada quadra e vendem cerveja ("cerveza/bieeeeer!") de dia na praia e nos começos e fins e meios de noite, em qualquer lugar onde tenha agito - e onde possam se esquivar dos guardas. Os mercadinhos quebram muitoo o galho (estão abertos quando tudo mais está fechado), mas procure não comprar bebida dos ambulantes porque às vezes eles escondem em lugares insólitos e pouco higiênicos ( = bueiros!!!)
 
- Almoço a partir das 14h; jantar a partir das 21h; esqueça compras entre 14h/14:30h e 17h/17:30h em lugares não turísticos (horário de "siesta", ainda que a maioria nem durma!...). Os horários por aqui são bem estranhos mesmo; percebemos isso ao marcar consultas e, ao responder que preferíamos "por la mañana", marcarem para meio-dia (oi?!!).
Domingo? Quase tudo fecha, até shoppings. No máximo você vai achar alguma loja aberta pelos arredores da Plaça Catalunya ou no Shopping Maremagnum. Pra quem é da balada, aquela regra básica que vige pra quase toda a Europa: nada acontece antes das 2h; antes disso só bar, pro esquenta. 
 
- Adendo: o comércio é proibido de vender bebida alcóolica depois das 23h; a partir daí, só em bar. Ou com os paquis (ok, quem nunca?!!!).
 
- "Dessa água não beberei": não beba água das bicas; não beba água das torneiras. Barcelona tem a chamada "água dura", super calcificada, então melhor comprar água engarrafada mesmo.
 
- Pra finalizar, faça silêncio!! O barcelonês é meio traumatizado com a fama de festas que a cidade pegou, então vão ficar mesmo possessos se você estiver falando alto do lado de fora de um bar/restaurante/o que seja e atrapalhar o seu sono. Os comerciantes pagam multas astronômicas por isso e os moradores vão defenestrar ovos, água, gelo ou o que mais a imaginação permitir!
 
Agora que o básico foi dito, vamos ao que interessa: o que fazer em Barna para além do feijão-com-arroz dos guias turísticos.
 

- JANEIRO: friaca! Mas é quando a cidade tem poucos turistas. Uma boa oportunidade pra encarar o mercado de Sant Josep ("La Boquería") sem muita muvuca - em vez de se sentir uma sardinha enlatada, deguste uma porção de sardinhas em escabeche no balcão do concorridíssimo El Quim. No dia 6 tem o feriado do Día de Reyes; a criançada fica louca pra ver a cavalgada que os reis magos fazem pela cidade (eles passam atirando guloseimas) e os adultos fazem filas nas padarias ("forns de pá") pra comprar o "roscón de reyes". Quem acha a fava dentro do bolo, paga a conta (o bolo).

 
 

- FEVEREIRO: festas de Santa Eulália, a padroeira de Barcelona. Tem apresentações culturais pela cidade toda e espetáculos de luzes, bem bonito de ver. Além disso, muitos museus e lugares turísticos operam de portas abertas.  

- MARÇO: temporada de calçots! É tipo uma cebola que tem gosto de aspargo (nossa humilde impressão) e tem todo um ritual para comer. Vale a pena provar, em Barcelona (no El Disbarat, por exemplo) ou mesmo ou em alguma chácara nos arredores, as chamadas "masías". Pra acompanhar: pão com tomate ("pántumaca"), que, aliás, é guarnição de 10 entre 10 pratos locais. 

- ABRIL: se for páscoa, não espere ver muitos ovos, mas, isso sim, esculturas belíssimas de chocolates nas patisserias. As da Patisseria Escribá são um clássico. Outro dia celebradíssimo é o 23, dia de Sant Jordí (São Jorge), o padroeiro da Catalunha. Barracas de livros e rosas, muitas rosas, espalhadas por toda a cidade, já que a tradição manda os casais trocarem estes objetos entre si.

 
 

- MAIO: os dias começam a ficar visivelmente mais longos - o sol se põe por volta de 21:30h - e o clima, mais agradável. Bom pra começar a desfrutar das terrazas dos hotéis no fim de tarde (sugestão: Barceló Raval). Também em maio acontece o festival preferido dos barceloneses, o Primavera Sound: são vários dias de muita música cantada por artistas conhecidos e emergentes, diversos estilos. Há shows abertos e gratuitos pela cidade, mas quem quer ir aos principais (pagos) tem que correr, porque os ingressos esgotam super rápido! 

 - JUNHO: os mais animadinhos podem curtir o Sónar, um dos maiores festivais de música eletrônica da Europa. E na virada do dia 23 tem a festa de San Juan, quando se comemora a noite mais curta do ano (a chegada do verão!) com fogos de artifício e fogueiras. O costume é jantar em família/amigos e por volta da meia-noite ir pra praia, que fica cheia até o amanhecer - alguma semelhança com o nosso ano novo?!
 

- JULHO: praia e mais praia! Fuja de Barceloneta e experimente ir pra San Pol de Mar, Casteldefells, Sitges, Tossa de Mar... Todas facilmente acessíveis de trem. Para os que têm mais pudor, verifique antes se a praia é nudista - tem várias, cada vez mais. Já o topless rola solto onde quer que seja; é mulher de peito de fora do lado de mulher de burca e tá tudo certo!

 
 
 

- AGOSTO: caloooor! Os moradores saem de férias e deixam lugar pros turistas.  Muitos comércios de bairro fecham nessa época, mas há quem espere a Festa Major de Gracia pra sair de viagem. Durante uma semana as ruas desse bairro (que adoramos!) ficam enfeitadas e são tomadas de atividades culturais e música - fim de semana vai madrugada afora. Vale muito a pena conferir; só não confunda Gracia com Paseo de Gracia: é no final deste que começa a Vila de Gracia, de que estamos falando. 

- SETEMBRO: La Mercè! A outra padroeira da cidade. Mais festas, mais música, mais apresentações típicas... Aquela coisa de sempre! Quem já foi aos eventos comentados a essa altura já está careca de saber o que são os Correfocs, os Giganters, os Castellers... São todas manifestações culturais da catalunha. Destaque pros Castellers, que são as pirâmides humanas : é um barato ver a montagem, ainda mais no final, quando é uma criança quem sobe lá no alto. Em todas as festas da cidade você irá encontrá-los! Ah, dia 11 de setembro é o Dia Nacional de Catalunha (Diada), então não se assuste se vir a cidade tomada de pessoas com a bandeira da catalunha, estrelada (independentista) ou não.

 
 

- OUTUBRO: o friozinho chega, os dias ficam mais curtos, acaba o horário de verão. A cidade por fim respira; é gostoso ver as ruas mais tranquilas e com menos gente. Tempo bom pra entrar em museus e lugares turísticos, pra ver um concerto no Palau de la Música (deslumbrante!), uma peça no Liceu, um espetáculo na Sala Barts. Aproveite o clima pra comprar aquelas castanhas que são feitas na hora e vendidas quentinhas ao lado do metrô, umas delìcia!

 
 

- NOVEMBRO: o frio estaciona. Já que não nos veio nada ä cabeça, vamos falar de comida: muito jamón com cava na Can Paixano - La Xampanyeria (melhor lugar!); pinchos em qualquer bar na Carrer de Blai, no Poble Sec (La Esquinita de Blai é excelente); turrones (os Vicens são deliciosos); crema catalana ; arroces. *Na Catalunha, um bom começo pra não cair em lugares pega-turista é procurar por arroces em vez de paella. De qualquer modo, o Envalira e o 7 Portes nunca decepcionam. 

 
 
Compras pro natal? Espere dezembro, quando tudo entra em "rebaja" (liquidações!).
Adendo número dois: as rebajas de inverno são em janeiro e fevereiro e as de verão em julho e agosto; os preços de tudo despencam, então venha de mala vazia porque você vai querer comprar loucamente!!!
 

- DEZEMBRO: deixe-se tomar pelo clima de natal e aprecie a decoração e as feiras da cidade, principalmente a da Sagrada Família e a de Santa Lucía (na frente da catedral). As duas têm enfeites lindíssimos pra vender. Só não se assuste se você vir miniaturas de personagens famosos fazendo cocô (!!); são os chamados caganers, eles estão por tudo e sinceramente ainda não entendemos o porquê disso - talvez daqui a algumas estações...!

 
 
 
Barcelona é bem esse ciclo que descrevemos, com cada estação bem demarcada, com um horário de verão que dura 8 meses (!) e com sol pra sair esbajando vitamina D. Barna é a exploração do espaço público e por isso te chama pra rua; é a festa maior de cada bairro; é o mercado público de cada região; é a feira. É o jovem (como tem jovem!), mas é também o casal de velhinhos que senta no banco da rambla só pra ver a vida que acontece lá fora. É a obra que começa quando a outra ainda nem terminou; é o jogo de petanca na praça; é o gay e o hetero e o bi; é o cachorro que entra junto com o dono nas lojas. É o multiculturalismo; uma torre de babel construída de tolerância. 
 

Somos dois apaixonados por viajar, e a cada lugar que vamos buscamos absorver o máximo da cultura local. Depois de algumas frias, algumas bolas fora e várias bolas dentro, resolvemos começar a registrar nossas peripécias no instagram.

Segue a gente lá! - @naopegaturista .

 
 
PKB PKB PKB